Ausência por uns Tempos....

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Pessoal, devido a problemas de saúde na família, vou sumir por uns tempos da Blogosfera. Não é nada de muito grave, mas que inspira cuidados. Até mais.

Off: Revista SpeedZone Magazine

sábado, 22 de agosto de 2009

Olá amigos da velocidade, olá amigos da Fórmula Indy.

Como eu falei há um tempo atrás, além do blog agora eu também me meti a editor de revista eletrônica (risos). Depois de bastante trabalho, já publiquei 3 edições da Revista SpeedZone Magazine, que falam sobre as corridas virtuais da Liga onde ajudo na organização (www.speedseries.com.br).

Vou deixar aki para vocês também verem estas 3 primeiras edições. Até mais!






Indy 2009 - Altos e Baixos da Temporada - Parte 3

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Olá amigos da velocidade, olá amigos da Fórmula Indy.

Continuando a série das análises, hoje falaremos dos circuitos em que a Indy está correndo nesta Temporada. Já citamos como falta de emoção na atual temporada, o domínio das equipes Ganassi e Penske em qualidade dos setups dos carros e a desatualização dos chassis e o fato de ser uma categoria monomarca de motores e pneus.

Somado a estes itens, incluímos as escolhas dos circuitos que a Indy anda fazendo há pelo menos 3 ou 4 temporadas. É sabido por todos que, desde a cisão entre CART e IRL, na pista em que uma andava, a outra nem poderia sonhar em pisar. Mas, pouco tempo depois, o que vimos foi a Champcar (já depois da mudança da CART) ser uma categoria que corria apenas nos mistos americanos (aconteceram algumas provas em mistos europeus, me lembro dela ter corrido em Brands Hatch, mas há de se citar que nos EUA há excelentes circuitos mistos) e a IRL ficar com os ovais e a prioridade em correr em Watkins Glen e Sonoma.

Após a reunificação, apenas Glen e Sonoma permaneceram como corridas em circuitos mistos permanentes. St. Petesburg, Detroit (e depois Edmonton, Long Beach e Toronto) vieram a compor a lista de circuitos mistos não permanentes na categoria. Mas há de se lamentar que a categoria não corre em nenhum dos mistos permanentes daqueles em que havia corridas maravilhosas na época da CART (Portland e Elkart Lake são alguns exemplos).




Subida para a reta dos boxes em Elkart Lake, circuito que sempre recebeu grandes corridas.

Lógico, há os motivos comerciais para isso, o calendário da Indy atual já é inchado (17 etapas, seriam 18 se a de Detroit não fosse cancelada) e lembrando de uma passagem do post anterior, o calendário da Indy tem q ficar incrustado para começar antes das temporadas dos esportes que os americanos mais preferem e acabar antes do final dos mesmos. Então espaço para mais etapas não há. Então, porquê não trocam algumas etapas, perguntariam alguns de vocês....

Igual a F1, a Indy também tem alguns contratos vitalícios ou de grande duração com algumas pistas. O exemplo mais atual e fácil de compreender é o de Iowa, pequeno oval na cidade de mesmo nome, é localizado na região de maior produção de etanol nos EUA (nem preciso citar que os Indy são movidos a etanol né? -risos-).

Iowa: um dos ovais "mais sem sal" da temporada e que, dizem estar na Categoria apenas por interesses políticos.

Fora isso, para nós fãs da Indy é inexplicável super-ovais como Michigan longe da categoria. Além disso, alguns ovais consagrados na época da CART nem existem mais (Nazareth é um exemplo dele), enquanto isso outros ovais pequenos não acrescentam nada a categoria, pela enorme falta de ultrapassagens agravadas pelo fato do problema de falta de pressão dos chassis Dallara (Richmond infelizmente se inclui aqui).

Algumas mudanças estão previstas para 2011, junto com o pacote para chassis e motores. Tomara que ela traga também novos circuitos (ou a volta de alguns em que os fãs viam belas corridas de volta). Até a próxima!

Indy 2009: altos e baixos da Temporada - Parte 2

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Continuando a Análise da Temporada 2009, chegamos aos problemas que estão deixando a categoria menos competitiva e chata.

A aparente competitividade entre os pilotos da Ganassi e Penske não esconde um problema crônico da Indy atual. A falta de ultrapassagens reina absoluta há pelo menos 3 anos. A maior parte da culpa recai sobre os defasados chassis Dallara, que a categoria utiliza há 6 anos e que há um bom tempo não tem desenvolvimento algum. Outro fator que colabora são os motores monomarca, apenas da Honda. Falta uma disputa entre chassis e motores, algo que era mágico nos tempos da Cart (chassis Reynard x Dallara, motores Honda x Mercedes x Ford, até pneus tínhamos Firestone x Goodyear).

Chegada da corrida de Michigan em 1998, Montoya x Andretti
(bons tempos aqueles ...)


A redução de custos que a categoria adotou quando a Indy se dividiu entre ChampCar e IRL aumentou por um lado a igualdade de condições entre os carros, assim o melhor piloto ganharia as corridas e o Título. O problema é que essa fase já passou e hoje em dia temos as 2 equipes melhores, aparentemente detendo a maior parte dos acertos finíssimos para seus carros e concentrando para si as vitórias. Enfim, algo tem que ser revisto urgentemente.

Aqui ele está bonitão, mas o chassis Dallara está em uso desde 2003 e sem desenvolvimento. Se nos ovais ele já não é lá grande coisa, nos mistos piora ainda mais...

A partir da corrida no Kentucky adotou-se algumas medidas. As mais importantes foi a adoção do "Push-the-Pass", um botão no volante que, quando acionado, dá potência extra ao motor (solução mais barata e tão eficiente quanto o Kers na F1). Limitada a X utilizações (acho que são 16 vezes durante a corrida), a potência extra depende da mistura ar-combustível que os pilotos estão usando no momento do acionamento), acabou dando um alento de mais ultrapassagens na corrida em Kentucky (oval). Foi assim que Briscoe conseguiu passar Ed Carpenter a poucos metros da linha de chegada, apertando o botão....

... que prometia mais emoção mas que nos mistos não fez a menor diferença.

A outra medida foi a adoção de mais pressão aerodinâmica nos carros. Os Indy atuais estão sofrendo com a falta de aderência na parte da frente, como a F1 até o ano passado. Mais pressão aerodinâmia significa mais estabilidade ao carro no tráfego em circuitos ovais. A medida também deu certo em Kentucky.

Mais pressão aerodinâmica "funfou" no Kentucky ...

... em Mid Ohio não "funfou" e Dixon reinou sozinho em sua 20ª vitória na IRL (record).

Mas em Mid-Ohio, ciruito misto, estas aparentemente bem sucedidas medidas pareceram ter sumido, que nem existiam nos carros. Não se viu benefício a algum piloto de ter usado o Push the Pass e a corrida foi uma procissão até o final, com direito a Dixon faturar a vitória com quase 30 segundos de vantagem para o segundo colocado, Briscoe.

Aí temos algo que também contribui para a falta de competitividade entre os carros: a escolha dos circuitos. Na próxima parte da Análise falarei sobre eles. Até mais!

Indy 2009: altos e baixos da Temporada - Parte 1

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Olá amigos da velocidade, olá amigos da Fórmula Indy.

A temporada 2009 na Indy já está entrando na reta final. Já foram realizadas 13 das 17 etapas de 2009, em um campeonato que tem que acabar cedo, em Outubro, para não perder audiência com as finais dos campeonatos de Futebol Americano, Baseball e a NBA lá nos States... (eh a vida neh... fazer o quê).

Falando um pouco dos números da temporada, citar que o domínio de Ganassi e Penske é desnecessário. Desde o título de Dario Franchitti em 2007 pela Andretti Green, nenhuma outra equipe consegue andar no mesmo nível destas 2 (até mesmo em 2007, na minha opinião o título de Franchitti foi mais pela soma de momentos de sorte do que insucessos de seus adversários).

A Ganassi venceu 7 corridas (Dixon = Kansas, Milwaukee, Richmond e Mid-Ohio / Franchitti = Long Beach, Iowa e Torono). A Penske venceu 5 corridas (Briscoe = St. Petersburg e Kentucky) / Hélio Castroneves = Indianápolis e Texas / Will Power = Edmonton). A única exceção foi a vitória de Justin Wilson em Watkins Glen, pela equipe Dale Coyne (observação importante: foi a 1ª vitória da equipe, depois de 25 anos de corridas, mais que merecidos parabéns para o Dale Coyne, que inclusive falei brevemente sobre a história da equipe neste post).

Briscoe venceu a 1ª etapa, em St Petersburg

Nem mesmo a Andretti Green venceu uma corrida até agora. Nesta mesma época no ano passado, Tony Kanaan tinha vencido em Richmond. Mas a Andretti Green está mal há pelo menos 2 anos, coincidentemente depois q Franchitti saiu da equipe e foi para a Nascar e formou-se a equipe com o "professor Kanaan" e seus 3 alunos. O melhor deles (ou "a" melhor né) é a Danica Patrick, que mesmo envolta pelo Marketing está pilotando bem. Hideki Mutoh tem feito o que se pode esperar dele, corridas medíocres mas ao menos não prejudicando ninguém, diferentemente do filho do dono da equipe, Marco Andretti (e ainda colocam ele como piloto da USF1 tsc..tsc...tsc....). Com este quadro, a AGR só poderia estar na situação em que se encontra.

Dixon leva um banho de champanhe depois de vencer a etapa de Mid Ohio.

Voltando aos números, após a 13ª etapa que foi vencida por Dixon, este voltou a liderança do campeonato. Com 460 pontos ele passou Briscoe que tem 457 pontos. Franchitti é o terceiro com 440 e Hélio o quarto com 359 seguido da Danica em quinto com 321 pontos e Marco Andretti em sexto com 307 pontos. Não me perguntem como o Marco está nessa sexta posição, com seu desempenho pífio em 2009. Também é um pouco inesperado a Danica em quinto, talvez pq a vem a lembrança de ela não ter ido bem nas últimas corridas mas no início do ano ela esteve atrás apenas dos carros da Ganassi e Penske.

O interessante é que entre as equipes há a disparidade claríssima, algo como na F1 nos tempos de Ferrari x Mclaren. Mas diferentemente desta categoria, a disputa em seus 4 pilotos (seriam 5 se Power tivesse carro para toda a temporada) há um equilíbrio enorme entre eles. Não a toa Dixon, Franchitti, Hélio e Briscoe se revezam nas vitórias na temporada, o que tem dado uma boa dose de novidade a cada resultado final de corrida. "Quem será o líder após a próxima etapa?" A gente pode-se dar ao luxo de fazer essa pergunta com o desenrolar da temporada.

Mas nem tudo são flores, e amanhã no próximo post eu falarei os problemas da atual temporada. Até mais!.

Ôoooo, o BFI voltou..... o BFI voltou.... o BFI voltooooooou!

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Olá amigos da velocidade, olá amigos da Fórmula Indy.

Antes de falar qualquer coisa e atendendo a pedidos do nosso querido Groo:


Volta o cão arrependido.
Com suas orelhas tão fartas.
Com seu osso roído.
E o rabo entre as patas!

Volta o cão arrependido.
Com suas orelhas tão fartas.
Com seu osso roído.
E o rabo entre as patas!

"Muito bem Chaves, muito bem!" (Seu Madruga)

"O verso é repetido 44 vezes...Volta o Cão Arre..." (Chaves)


(risos) Pois é pessoal, não resisti ao tempo de aposentadoria e ficar longe do BFI, bem que eu tentei desaguar as mágoas no FanCars, mas não consegui. Estou de volta a ativa por aqui e espero que eu possa retomar aos poucos a normalidade da rotina de um blog de notícias voltado a Fórmula Indy.

Acredito que conseguirei postar por aqui regularmente, não perdendo muito tempo após as etapas, trazendo alguma coisa sobre notícias e curiosidades... enfim. Espero ter voltado pra ficar por aqui :-). Em breve novos post's, até mais!

Uma tentativa de recomeço? Pode ser que sim....

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

pode ser que não, o mais provável é... quem sabe (by Chiquinha do Chaves.... rs)

Estou pensando pessoal, há uma chance de eu voltar ao BFI (indecisão e impulsividade é comigo mesmo, não liguem rs). Após 2 semanas de FanCars, estou começando a ver que gosto de automóveis e de falar sobre eles mas não estou tão a vontade pra escrever sobre eles como eu faço sobre assuntos da Indy.

Então pode ser que eu volte com o BFI, essa semana eu decidirei, deixar o meu lado perfeccionista de lado e pensar em voltar falando apenas o simples, o básico .... ou seja o que importa... hehe

Abs.