Fala Blogueiro! - Um dia muito especial

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Olá amigos da velocidade, olá amigos da Fórmula Indy.

Bom, o papo deste post não tem nada a ver com a velocidade, com os carros, nem com os pilotos e muito menos as pistas.

Faço este post para agradecer a todos os votos que vocês, meus grandes amigos, me deram hoje, dia do meu aniversário. Faço 25 anos (sim.... saí da idade da dúvida hehe) e é muito gratificante saber que tenho amigos, mesmo que por enquanto virtuais, como vocês.

Eu não vou citar os nomes aqui porque certamente vou me esquecer de alguém, mas para todos aqueles que me desejaram Feliz Aniversário, o meu muito obrigado mesmo :)

E pra completar o dia, ainda recebo uma homenagem do Fábio do DeOlhonaF1 que deixo o link abaixo:

http://deolhonaf1.blogspot.com/2009/02/o-blogueiro-do-dia.html

O que ele falou realmente me deixou emocionado (eu já sou meio chorão msm kkkkk). Fábio, meu MUITO OBRIGADO para você, meu grande Irmão na vida virtual, na vida bloguística e com certeza na vida real.

Obrigado gente!

Dica do BFI: DanicaMania

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Olá amigos da velocidade, olá amigos da Fórmula Indy.

Sei que a dica de hoje pode levantar certos "pensamentos", mas eu agarantium (no melhor estilo Seu Creyssium) que a dica de hoje vale a pena hehe.

Apresento a vocês o blog da minha amiga Bruna, o DanicaMania. Antes que achem este blog, um dakeles "blogs fanáticos e puxa sacos", eu já lhes digo. O DanicaMania é levado bem a sério pela Bruna, que se preocupa mais em falar da carreira, do desempenho e sim, das notícias que envolvam a musa da Fórmula Indy. Mas sem "fanatices" exageradas ou sem sentido o que me chamou a atenção do blog logo que vi. O Blog existe desde o dia 20/04 de 2008 e agora acabou de receber um novo visual, que complementa os ótimos textos que a Bruna publica.



Eu mesmo tenho minhas dúvidas se a Danica é uma jogada de marketing das boas do Tony George, mas acredito sim que a baixinha tenha talento para a coisa, pois senão nem estaria no nível que está hoje, pilotando pela Andretti Green. E o DanicaMania tem muita informação para nos ajudar a tirarmos nossas conclusões.

E para falar dela, ninguém melhor que ela mesma, então deixo aqui o texto em que ela mesma se apresenta

DanicaMania - Me Apresentando a Todos

Fica a dica para vocês, garanto que vale a pena dar uma passada por lá no DanicaMania.

Até mais.

Diário de um Piloto Virtual: Arriba, Arriba Muchachos !!!

Olá amigos da velocidade, olá amigos da Fórmula Indy.

Ontem, mais 1 domingo, mais uma corrida pela Indy na SpeedZone. O local? Autódromo Hermanos Rodriguez, no México. Sim !!! Aquele onde a ChampCar já correu há algum tempo atrás.



Como não é novidade, mistos não são o meu forte, pois venho da escola "americana" e não da "européia" hehe. Treinei pouco para esta corrida (deveria ter treinado mais, eu sei...) mais pela combinação falta de tempo + falta de ânimo. Mas fui para a corrida, pois precisava somar o maior número de pontos possíveis para tentar me manter na briga pelo título do Campeonato de Verão (Indy Summer Series).

Nos treinos, mais uma vez optei por não fazer o qualify e largar no fim do grid, mas por um erro meu, abortei a volta muito tarde e acabei largando no meio do grid msm, 11ª posição. E até que não foi tão ruim quanto eu pensava...

Ontem foi a primeira vez de muitos pilotos em uma corrida em circuito misto no simulador Nascar, que na verdade foi feito para ovais não para mistos. Após a tentativa de fazer a largada em fila dupla, como normalmente acontece, e ter um belo big one na primeiar curva, a moderação decidiu pela largada em fila indiana, comum nessas situações. Na primeira bateria, largando em 11º já fui decidido. Largar, ir pela parte de fora da curva e esperar os toques na parte de dentro.

Dito e feito, aconteceram os toques, os carros espalharam e eu passei limpo pela curva. Mas uma errada no engate da 5ª marcha e ela foi-se.... em plena 2ª volta apenas. Fiz mais 18 voltas dessa forma, tomando cuidado para não estragar mais alguma nas longas retas do circuito. Contando com o cuidado, os acidentes, o azar e a sorte, levei o carro até uma boa 7ª posição.


Após este resultado, eu já tinha dado adeus a disputa pelo título, com o 1º lugar de Erick Rabelo e o 3º de Diego Said. Para a segunda bateria, sorteio para o grid, e sou "agraciado" com a 6ª posição. Largada em fila indiana novamente, como eu estava um pouco mais a frente, foi tranquila mas tomei o mesmo cuidado de me posicionar por fora para não receber toques na traseira.

Com o câmbio em ordem dessa vez, tive muita dificuldade com a alteração na direção dos ventos, o carro balançava demais no miolo mais lento da pista. E numa destas balançadas, um piloto que vinha atrás de mim não percebeu minha escapada, tocou na traseira de meu carro e rodei. Nada demais e um acidente de corrida. Fui para o pit e dei azar de passar o limite de velocidade, fui punido com um Stop and Go. A partir daí era apenas manter o carro na pista e contar com acidentes dos pilotos à frente, que não vieram. Um 10º lugar não muito bom, mas pelo o que aconteceu na bateria, foi até bom demais.


E assim, dei adeus a disputa do título. Estou a 68 pontos do primeiro colocado, Erick Rabelo, e apenas Diego Said tem chances do Título. Ao menos estarei na briga pela 3ª posição (remotamente pelo vice) com mais 4 pilotos pelo menos na última prova do campeonato de verão dia 01/03, no The Coca Cola Superspeedway, um oval fictício que pode ser considerado como um Milwaukee "espichado", grandes retas e curvas fechadas mas com enormes inclinações.


O lado bom é que minha equipe, Thunderbolt F-Team ainda está na disputa entre os Construtores e temos boas chances de faturar o título ainda. Vejam que a disputa está intensa entre as equipes.


Até mais!

Review - Dale Coyne Racing

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Olá amigos da velocidade, olá amigos da Fórmula Indy.

Para variar um pouco os Reviews das equipes vou dar uma "misturada", fazer de equipes grandes e não tão grandes assim alternadamente.

Hoje falo de uma das equipes mais tradicionais e, por que não, "teimosas " e queridas da Fórmula Indy: a Dale Coyne Racing.

A equipe surgiu em 1986 após Dale Coyne, um grande piloto norte americano, abrir sua própria equipe tendo Walter Payton como sócio e correndo na CART e com um detalhe muito curioso: Coyne fabricou seu próprio chassis, o DC-1. Coyne correu em seu carro até 1988 quando assumiu o lado de chefe de equipe definitivamente e também abandonou o projeto do chassis próprio, pois não alcançou bons resultados. Os melhores foram dois 12º lugares em Sanair e Cleveland em 1986.

A sede da equipe fica em Plainfield, no Estado de Illinois/EUA e, sem alternativas, Dale Coyne quase sempre teve que "vender" cockpits para pilotos que trouxessem bons patrocínios para sua equipe e a Dale Coyne sempre figurou entre as equipes mais fracas da categoria, às vezes apelidada como a "Minardi da Indy" mas foi a porta de entrada de vários pilotos como Paul Tracy e Michel Jourdain Jr e também de alguns brasileiros como Roberto Moreno, Cristiano da Matta, Tarso Marques e, mais atualmente, Mário Moreaes. Outros brasileiros que já correram pela equipe foram Alex e Ricardo Sperafico, Gualter Salles e Luis Garcia Jr.

Os melhores momentos da equipe foram em 1997, quando o mexicano Michel Jourdain Jr ganhou o título de Piloto de Mais Valor da temporada. Em 2000, a equipe chegou a ter 4 carros alinhados no grid (Tarso Marques, Gualter Salles, Alex Barron e Takuya Kurosawa. Já na Champ Car, o melhor ano foi em 2004, quando o espanhol Oriol Servia pilotou pela equipe e conseguiu um 3º lugar em Laguna Seca. O outro carro era pilotado pelo indescritível argentino Gastón Mazzacane.

O melhor resultado da equipe em sua história foi o 2º lugar que Bruno Junqueira conquistou no GP da Bélgica em 2007. Em 2008, a equipe migrou para a IRL, apos o fim da ChampCar e teve como pilotos os brasileiros Bruno Junqueira e o estreante Mário Moraes.

Para 2009, a equipe ainda não confirmou sua dupla de pilotos. Já é certo que Mário Moraes, contratado pela KV Racing está fora da equipe. Bruno Junqueira está negociando com outras equipes, mas caso não consiga deverá continuar na equipe.











Carros de Bruno Junqueira e Mário Moraes - Temporada 2008

fontes:
http://en.wikipedia.org/wiki/Dale_Coyne_Racing
http://pt.wikipedia.org/wiki/Dale_Coyne
http://en.wikipedia.org/wiki/Dale_Coyne

Review: Andretti Green Racing

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Olá amigos da velocidade, olá amigos da Fórmula Indy.

Obrigado a todos que sempre passam aqui e agora venho falar que venho com tudo pra temporada 2009 e retomar as postagens deste blog, depois de ficar uns tempos sem poder postar por aqui por causa das minhas aventuras no mundo da velocidade virtual.

Retornando aos previews, a equipe de hoje do nosso "Review" possui uma história bem interessante pois tem vários personagens principais.

Hoje é o dia de falar da Andretti Green Racing (conhecida também pela abreviação "AGR"). Com este nome, a equipe existe desde 2003, mas tudo tem início bem antes, no ano de 1993 quando Barry Green e Jerry Forsythe fundaram a Forsythe Green Racing, com Jacques Vileneuve como principal piloto .

Mas logo no ano seguinte, desfazem a sociedade e Barry Green monta junto de seu irmão, Kim, a Green Racing. Em 1996, a equipe Green se tornaria a Brahma Sports Team, tendo como piloto Raul Boesel.

Em 1997, a equipe tem como patrocinador a marca de cigarros mentolados Kool, que lheu deu sua pintura mais característica, com o verde e branco dominando o carro. Por vários anos, Dário Franchitti pilotou este carro e, em outros tempos, Paul Tracy também pilotou pela equipe. Eles foram parceiros de equipe por 5 anos.

Em 2001, a Green contrata como piloto Michael Andretti, se tornando o Motorola Team. Andretti teve sua última vitória na carreira nesta equipe, em 2002 no GP de Long Beach. Para 2003, Andretti compra a maior parte da equipe e a renomeia para seu atual nome "Andretti Green Racing" e migra para a IRL. Tracy não veio com a equipe, preferindo permancecer na ChampCar e a equipe contrata Dan Wheldon para seu lugar, formando a equipe juntamente com Tony Kanaan e Dario Franchitti. Em 2004, Bryan Hertha é contratado para pilotar o 4º carro da equipe.

Estes 4 carros terminaram uma vez na frente em 1 corrida, o GP de St Petersburgo de 2005 com Wheldon em primeiro seguido por Kanaan, Franchitti e Herta. Foi com este time de pilotos que a AGR conquistou seus 2 títulos na IRL, com Kanaan em 2004 e Wheldon em 2005. Wheldon também ganhou as 500 milhas de Indianápolis em 2005.


Para 2006, Wheldon muda de equipe, indo para a Ganassi e o filho do chefe, Marco Andretti assume seu cockpit. Também em 2006, Danica Patrick é anunciada como nova piloto da equipe, no lugar de Hertha que se transferiu para a equipe AGR na American Le Mans Series (ALMS).

Em 2007, com Kanaan, Franchitti, Marco e Danica, a equipe é novamente campeã de pilotos com Franchitti em um final de campeonato espetacular com Scott Dixon. Franchitti anuncia sua despedida da equipe e da Indy, mudando-se para a Nascar. Para seu lugar, a AGR anuncia o japonês Hideki Mutoh, piloto que teve destaque na equipe da Indy Lights.

Já em 2008, a equipe com Kanaan, Danica, Marco e Mutoh não consegue um bom desempenho ficando atrás de Pesnke e Ganassi. O único momento de destaque da equipe foi a primeira vitória de Danica Patrick, que significou também a primeira vitória de uma mulher em uma corrida oficial de automobilismo. Para 2009, seu time de pilotos está mantido e a promessa é de um bom desempenho com Kanaan, que renova seu contrato com a equipe até 2013.

Pilotos da equipe para a Temporada 2009

Tony Kanaan, Brasileiro, 35 anos
Títulos: 1
1ºs 13
2ºs 13
3ºs 16
4ºs 12
5ºs 11
6ºs 4
Vitórias: 13
Pódios: 42
Poles: 10
Voltas mais rápidas: 14
Melhor posição num GP:
Total de GPs: 99
Total de pontos: 3003

Danica Patrick, Norte-Americana, 27 anos
Títulos: 0
1ºs 1
2ºs 1
3ºs 2
4ºs 3
5ºs 5
6ºs 7
Vitórias: 1
Pódios: 4
Poles: 3
Voltas mais rápidas: 2
Melhor posição num GP:
Total de GPs: 66
Total de pontos: 1436



Marco Andretti, Norte-Americano, 24 anos
Títulos: 0
1ºs 1
2ºs 4
3ºs 3
4ºs 2
5ºs 6
6ºs 0
Vitórias: 1
Pódios: 8
Poles: 1
Voltas mais rápidas: 4
Melhor posição num GP:
Total de GPs: 49
Total de pontos: 1036

Hideki Mutoh, Japonês, 27 anos
Títulos: 0
1ºs 0
2ºs 1
3ºs 0
4ºs 0
5ºs 0
6ºs 3
Vitórias: 0
Pódios: 1
Poles: 0
Voltas mais rápidas: 1
Melhor posição num GP:
Total de GPs: 19
Total de pontos: 370


Fontes:
http://en.wikipedia.org/wiki/Andretti_Green_Racing

Fala Blogueiro: Efeitos da Crise Mundial na Fórmula Indy

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Olá amigos da velocidade, olá amigos da Fórmula Indy.

Aproveitando um tempo livre no meu emprego, pude ler as notícias sobre como a crise está afetando a Indy. E realmente, a coisa não está nada fácil.

Entre equipes que praticamente fecharam (caso da Rahal), equipes que tiveram que fazer cortes significativos e (KV Racing), aquelas que dificilmente conseguirão alinhar mesmo que apenas 1 carro (Conquest) ou aquelas que terão que vender vagas para manter seus carros (Newmann-Hass) não há nada de "extraordinário" nestes casos, afinal a Indy é uma categoria norte-americana e está no epicentro da enorme Tsunami que a crise se tornou.

Até mesmo os planos que a categoria possuía para 2011, o de mudanças no pacote técnico dos carros - com novos forncedores de motores (Fiat, Porshe, VW e Audi) - possivelmente serão adiados para 2012, embora as negociações estejam com bom andamento. A única mudança significativa que permaneceu é a utilização do ethanol brasileiro já nesta temporada.

Outro fator muito importante que está aumentando a dificuldade das antigas equipes vindas da ChampCar é o encerramento da ajuda de U$$ 2 milhões que a IRL forneceu para as equipes no ano passado. Neste ano, já haviam decidido que não ajudariam mais antes mesmo da crise. Mas isso não significa que apenas as equipes menores estão com problemas sérios. Ao menos Ganassi, Penske e AGR possuem bons orçamentos para este ano e não parecem sofrer tanto com os efeitos da crise.

Ao menos, parece que a Adminstração da IRL está tomando as decisões certas para tentar amenizar os efeitos da crise na categoria. E esperaremos que a Temporada 2009 seja muito boa, mesmo com tais efeitos devastadores.

Até mais.

Diário de um Piloto Virtual: Tan tan taaaaaaan, Tan tan taaaaaan

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Olá amigos da velocidade, olá amigos da Fórmula Indy.

Juro que não voltei ainda com as atividades do Blog, porque estou com pouco tempo para ler notícias e fazer as pesquisas sobre as equipes e pilotos da Temporada 2009 da Indy. Mas os diários de minhas aventuras estarão sempre por aqui.

E sei que o título deste post é óbvio demais, mas é exatamente o que aconteceu e o que veio na minha cabeça naquele momento.

Neste domingo, dia 01/02 no oval de Taladega, Alabama /EUA, consegui minha primeira vitória no Automobilismo Virtual (AV). E não poderia ser em um cenário mais apropriado, uma corrida muito acidentada, várias Yellow Flags e uma vitória com Bandeira Amarela na última volta rs.

Na segunda prova da pré-temporada da Indy Speed Series, conseguimos reunir 20 pilotos na manhã deste domingo. O primeiro oval da temporada é um dos maiores do mundo e nele atingimos velocidades de 225 mph (360 km/h).

Numa corrida onde a estratégia seria muito importante, eu e mais meus 4 companheiros das equipes co-irmãs (Supertex, Thunderbolt e Dizzytek) decidimos não fazer o qualify e largarmos no fim do grid, torcendo pelas Yellow Flags e que conseguíssemos desviar de todos os acidentes na Bateria 1. Com isso, larguei na 18ª posição:



Meus companheiros de equipe são: J Tepassé (Supertex), M Floriani (Thunderbolt - minha equipe), V Lins e J Stevkmanns (Dizzytek). Perceberam que não fomos os únicos a ter a idéia de não fazer o qualify não é?

Em uma prova de 25 voltas e com 1 pit, fechamos a volta de parada no pit (volta 13, dificilmente o carro conseguiria dar 15 voltas em um vácuo constante). Fiz exatamente a mesma estratégia que sempre faço, não paro nas primeiras Yellow Flags, se bem que quase sou traído por isso.

Na volta 12 veio a YF, mas no Nascar o box é fechado na primeira volta da YF. Podemos até parar mas tomamos a punição chamada "End of Longest Line" (EOLL) que nada mais é ir para a última posição quando saímos do box neste momento. Acabei descobrindo que isso não prejudica em nada a corrida. Fui para o pit mesmo fechado, mas como eu havia recebido um toque na traseira do carro durante a corrida, ao reduzir as marchas, a 1ª quebrou e acabei rodando na entrada do pit e já no vapor do combustível. Sorte ou não consegui alinhar o carro e fiz meu pit.

Para minha surpresa vejo nos standings; P Maeda 1º posição. Eu quase caí da cadeira quando vi isso kkkkk Faltavam 10 voltas para o final e eu lá na frente, nunca que ia esperar isso. E veio a Green Flag. Consegui me defender das investidas do Evandro Dias, o 2º colocado, um ótimo piloto já com tempo de AV.

E aí vieram as YF salvadoras no fim da corrida. Sei que não é a mesma coisa ganhar uma corrida em YF mas fazer o que? rs Ao menos eu soube defender minha posição e, apenas depois de 4 meses nas corridas online, veio a primeira vitória. É tão emocionante quanto uma vitória real pelo trabalho que isso dá.

Na segunda bateria as coisas não foram muito boas. No sorteio, larguei na 16ª posição. Vinha driblando os acidentes mas houve um momento que um piloto desatento saiu do pit com o motor soltando muita fumaça. Como eu estava em Yellow Flag eu não poderia passá-lo até completar a volta e ele entrar no pit. Fique esperando eternamente ele chegar no box, e com tanto tempo perdido acabei de me precipitando e passei ele antes da hora: uma black flag que cumpri e me deixou 1 volta atrás dos líderes. E depois ainda me envolvi num acidente, provocado por um novato. Resultado: 12ª posição.

Embora pelo lado de Moderador do campeonato, eu tenha ficado muito irritado com tantos acidentes na prova, a maioria deles infantis e não só de pilotos novos, alguns com experiência também cometeram erros bestas, saio muito feliz do fim de semana em Taladega, ficará para sempre na memória deste piloto virtual que aqui vos fala.

Na classificação da pré-temporada, após 4 baterias, pulei da 12º para 3º colocado (contei com a sorte de os pilotos que estavam na minha frente terem muitos problemas neste fim de semana), um salto vertiginoso não? rs Mas eu não me iludo com isso, serei sempre o piloto que larga atrás, dribla os acidentes e conquista seus pontinhos. Quando os ponteiros tiverem problemas, lá estarei eu para abocanhar os pontos hehe (Mode estilo_igual_do Kubica ON) rs.


E agora é partir para a próxima. No dia 15/02, a Indy irá para o México correr no Autódromo Hermanos Rodriguez, onde a F1 e, mais recentemente a ChampCar, correram por lá.

Até mais.